Webnode

   

 

 

Cuidados de enfermagem no DVE

 Derivação Ventricular Externa

 

 

A Derivação Ventricular Externa (DVE) é um sistema fechado de drenagem usado em procedimento neurocirúrgico. Comumente é utilizada no tratamento e acompanhamento dos casos de Hipertensão Intracraniana, além do controle da drenagem liquórica em pacientes com complicações ventriculares e/ou tratamentos de Hemorragias.

 

 

  • Manter decúbito de 30º ( ou conforme orientação equipe de neurocirurgia.)

 

 

  • Zerar o cateter de DVE no conduto auditivo externo (Que é o referencial anatômico para o forâmen de Monro-e portanto, representando gradientes pressóricos negativos), devendo ser zerado na admissão e toda vez que for alterado o nível da cabeceira.(MUITO CUIDADO COM CAMAS ELÉTRICAS,DEVIDO SER MUITO FÁCIL MOVER SUA ALTURA). 
  •  

 

 

  • BOLSA COLETORA DO SISTEMA DE DRENAGEM  É POSICIONADA Á UMA CERTA ALTURA ACIMA DO FORAME MONRO ( ESTÁ ALTURA REPRESENTA GRADIENTE HIDROSTÁTICO A SER VENCIDO PELA PRESSÃO INTRAVENTRICULAR PARA QUE OCORRA DRENAGEM LIQUÓRICA).

 

 

  • Fechar o cateter de DVE durante o transporte ou quando abaixar a cabeceira a zero grau, evitando o risco de drenagem excessiva do líquor. Nunca esquecer de abrir depois dos procedimentos. Solicitar da equipe clínica, qual o limite de drenagem.

 

 

  • Desprezar a bolsa coletora quando atingir 2/3 de sua capacidade. Ao manipular a via de saída da bolsa, manter técnica asséptica.

 

 

  • Registrar o tempo de permanência do cateter, comunicar à equipe após 10  dias.(PODE VARIAR DE UM SERVIÇO PARA OUTRO).

 

 

  • Realizar curativo na região peri-cateter uma vez por dia e, se necessário. Observar se há extravazamento de líquor ou sinais flogísticos.

 

 

  • Inspecionar a região de inserção do cateter na admissão e uma vez por plantão, anotando o aspecto da ferida operatória.

 

 

  • Nunca aspirar ou injetar solução no cateter. Em caso de obstrução, notificar a  equipe de neurocirurgia.

 

 

  •  Anotar débito, aspecto e cor da drenagem de líquor, a cada duas horas ou a cada uma hora, quando instabilidade. Notificar quando alterações no débito.

 

 

  • Manipular com cuidado o paciente para evitar o tracionamento do cateter. Se houver tração, nunca reposicionar e comunicar imediatamente a equipe de

neurocirurgia.

 

 

  • Observar sinais e sintomas de infecção: mudança na coloração normal

(incolor, límpido), calafrios, febre, confusão mental,rebaixamento do nível de consciência, alteração pupilar ou leucocitose, déficits motores, cefáleia, rigidez

de nuca, vômitos.

 

  

 

 

 CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIAR

 

Zerar o cateter de DVE no conduto auditivo externo (Que é o referencial anatômico para o forâmen de Monro-e portanto, representando gradientes pressóricos negativos). 

 

 

  

  

 Recomendação bilbiográfica: Cuidados Intensivos Editora Guanabara/Nancy H.

                                           Cuidados Intensivos /Maria Tereza Soy Andrade

 

Webnode
<===============. MAGRIM .=============><========.ENFERMEIRO.==========>